Imparcialidade na imprensa

Breadcrumb Navigation

Quem gosta de futebol dificilmente deixa de torcer por algum time. Não conheço ninguém que goste de futebol e só se encante por assistir jogos ou só se importa em torcer pela seleção.

Existem aqueles que em época de Copa acompanham os jogos, mais pela agitação que é feita em torno do que pelo fato de gostarem de futebol. Mas existem aqueles que gostam de futebol e tem seu time de coração. Seja ele um time grande ou time pequeno, do interior, desconhecido.

A graça do futebol é justamente poder debater, discutir, tirar sarro. Mas quem participa da imprensa, de uma maneira geral precisa manter certa imparcialidade. Por mais que a pessoa defenda seu time, precisa ter o discernimento necessário para reconhecer os defeitos de seu time e reconhecer as qualidades dos adversários.

Eu tenho meu time do coração e sou um apaixonado, fanático mesmo. Daqueles que vai ao estádio, grita, defende o time com unhas em dentes. Converso tiro sarro, mas também sei reconhecer qualidades dos meus adversários, elogia-los.

Quando escrevo então, procuro agir da forma mais racional possível. Até peço desculpas se às vezes deixo transparecer minha preferência pelo meu time de coração, mas a idéia é sempre ser o mais imparcial possível, analisar o futebol de uma maneira mais profissional, mais racional.

Não concordo com jornalistas que usando a mídia defendem seu time com unhas e dentes, agem apenas com a paixão. Em contrapartida admiro outros que mesmo tendo suas paixões declaradas conseguem ser imparciais em seus comentários. Entre estes eu cito o Juca Kfouri, Roberto Avallone, Luciano do Valle, Trajano.

Os dois primeiros torcem por times de massa e quando podem comemoram como torcedores mesmo e deixam transparecer em seus comentários a alegria pelo seu time ou revolta por uma fase ruim, mas não deixam que isso afete sua imparcialidade perante o futebol de uma maneira geral.

A obrigação da imprensa é mostrar fatos, mostrar o que acontece, dar sua opinião sincera e deixar que os leitores leiam, entendam e principalmente possam formar a sua própria opinião.

Abraços

One Reply to “Imparcialidade na imprensa”

  1. F.polis, 10 de novembro/2006

    Olá Flávio

    Gostaria de saber qual é o time que rouba o teu coração?
    Brincadeirinha…
    Tomei coragem pra te escrever, você não me conhece e nem eu te conheço.
    Foi por acaso que fui ao médico fazer mais uma aplicação de carboxiterapia, levei minha irmã porque nós duas estávamos curiosas a respeito da depilação a laser e o Dr. Eduardo falou que o moço que tinha acabado de sair do consultório tinha feito, pois, era o jogador Flávio do figueirense. Puxa…o meu time do coração.UAU!!!
    Minha família é toda torcedora do figueira, meus tios sócios. Só o meu pai que se diz avaiano. Mais eu acho que é só para irritar minha mãe. Moramos no Balneário e cada gol feito, a gente escuta da sacada do apto.
    É emocionante…
    Poderías me contar se a dep. a laser vale a pena. É verdade que os fios não voltam mais? Tu recomendas?
    AH!!! Se tiveres oportunidade diga ao jogador Carlos Alberto que tem toda a nossa consideração e que minha família o apóia, lógico que ele errou, mais ele merece uma chance. Parece ser uma ótima pessoa e por ter sido pobre e analfabeto, se tornou um jogador conhecido e não deixou-se levar pelos maus amigos e nem uma vida boemia. Respeitou e respeita o time que lhe deu um emprego e que está dando uma força para ele.
    Que infelizmente não foi o caso do Buiú. Quando teve oportunidade e uma
    vida melhor (graças ao figueirensa) como jogador não soube aproveitar.
    Minha avó ficou arrasada, porque muito ela ajudou o Buiú quando criança e moço, e sendo ele pobre e por tudo o que ele passou não devia ter feito o
    que fez com o figueirense. Foi uma pena porque ele era muito querido e honesto.
    Espero que este comentário chegue a você.
    Felicidades e Boa sorte!!!
    Abraços, Biange

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
>