Palpites – 3° rodada Brasileirão

A rodada deste próximo fim de semana terá alguns duelos interessantes, com destaques para Palmeiras e Cruzeiro, que venceram com sobras seus jogos pela Libertadores (o paulista sobrando em cima do Boca em plena Bombonera e o mineiro atropelando a Universidad do Chile). Apenas o Flamengo chega pressionado pela sequência negativa.

Apenas 9 jogos nos palpites por conta do adiamento da partida entre Santos e Vasco para 16 de julho.

Botafogo x Grêmio – Renato deve poupar jogadores neste duelo, o que deve favorecer o Fogão, que começa o Brasileiro com potencial para se manter na parte de cima da tabela. Botafogo vence por 2 x 0.

Atlético-MG x Corinthians – Um dos grandes jogos. O Corinthians chega de uma sequência de jogos fora de casa e Carille pode poupar alguns jogadores, pensando no restante da temporada. Mas mesmo assim, imagino que o Galo não terá vida fácil em casa. Placar de 1 x 1.

Palmeiras x Chapecoense – Verdão chega bem para este jogo depois de quebrar a sequência de tropeços em grande estilo. Allianz Parque deve estar lotado para o duelo entre alviverdes e acredito em vitória fácil do time de Roger. 3 x 0 Palmeiras.

Paraná x Sport
– Duelo envolvendo dois times que chegam com problemas e sabem que precisam de pontos para se manter na série A. O paranaense vindo de duas derrotas, sendo uma por goleada em casa e o pernambucano com apenas um ponto, com problemas financeiros e já com técnico novo. Jogo ruim, com vitória do Paraná. 1 x 0.

Bahia x Atlético-PR
– Enquanto deixarem Fernando Diniz trabalhar, imagino que os jogos envolvendo o Furacão serão interessantes, bons para se ver. Bahia não terá vida fácil, mas vence apertado por 2 x 1.

Fluminense x São Paulo
– Duelo de tricolores no RJ, onde Abel começa o campeonato com uma proposta interessante, que pode dar liga e surpreender. Já Aguirre teve uma semana livre para trabalhar o time e pode começar a apresentar melhoras já neste domingo. Acredito em partida equilibrada e empate. 1 x 1.

Ceará x Flamengo – Teoricamente o Flamengo é favorito neste duelo, mesmo com a má fase do time carioca. Jogar fora de casa , longe da torcida que está insatisfeita é o melhor cenário para o rubronegro. Inclusive o time deve contar com forte apoio no Ceará e deve aproveitar para conseguir importante vitória. Flamengo 2 x 1.

Internacional x Cruzeiro
– Jogo no Sul promete ser interessante, principalmente pela goleada do Cruzeiro por 7 x 0, que deixa o emocional do time lá em cima. Imagino que seja um jogo bom de ver, com vitória apertada do Internacional por 1 x 0.

América-MG x Vitória – Mais um duelo de times que começam o campeonato ameaçados pelo rebaixamento. Mas vejo o time mineiro um pouco acima e deve conseguir uma vitória tranquila por 2 x 0.

Palpites – 2° rodada

Recentes tropeços podem fazer com que a segunda rodada do Brasileirão possa trazer nuvens de crise em alguns clubes logo no início do campeonato. Jogos tensos, que podem aliviar ou pressionar de vez.

Bahia x Santos – O campeão baiano recebe o time da Vila Belmiro em casa, em jogo complicado. Santos ganha a segunda seguida por 2 x 1;

Flamengo x América-MG – Um dos times que joga pressionado, o time carioca tem um jogo que não promete ser fácil, mas deve conseguir a vitória com placar magro de 1 x 0;

Paraná x Corinthians – O time paulista deve manter a boa fase e garantir mais três pontos fora de casa por 2 x 0;

Atlético-MG x Vitória – O Galo ainda oscila e mesmo jogando em casa não deve ter vida fácil. Empate em 1 x 1;

Chapecoense x Vasco
– Depois da goleada sofrida na Libertadores, o Vasco chega abalado, mas enfrenta um time que começou o campeonato levando goleada. Jogo ruim e empate em 1 x 1;

Fluminense x Cruzeiro
– O Tricolor carioca começou o campeonato perdendo, mas fazendo um bom jogo ao passo que o Cruzeiro perdeu em casa e só empatou pela Libertadores. Acho que teremos um bom jogo , com o Flu levando a melhor por 2 x 1;

Ceará x São Paulo – Outro Tricolor que joga pressionado depois da eliminação pela Copa do Brasil. O time cearense perdeu fora de casa na rodada inicial, mas acho que faz valer sua força no Castelão, ganhando por 2 x0;

Palmeiras x Internacional – A sequencia de resultados negativos faz com que o Palmeiras esteja pressionado para este jogo. Do outro lado temos o Inter chegando de eliminação na Copa do Brasil. Jogo duro, com vitória suada do Palmeiras por 1 x 0;.

Grêmio x Atlético-PR
– Apesar de um começo promissor do Furacão, Renato Gaúcho deve levar seu time para mais uma vitória no campeonato. 3 x 1;

Sport x Botafogo
– Jogo que deve ser fraco tecnicamente, truncado e sem movimentação no placar. 0 x 0.

Primeiro de vários erros que ainda veremos no Campeonato Brasileiro

Em uma rodada inicial interessante, com o Corinthians vencendo mais uma no sufoco em casa, vitória do Grêmio fora de casa e goleada do Atlético-PR, poderíamos começar a semana só falando a respeito dos jogos. Mas, como é de praxe, um dos destaques infelizmente ficou com a arbitragem do jogo Vitória x Flamengo.

O juiz errou em lances para os dois times, mas o erro contra o time carioca foi gritante. O lance onde Everton Ribeiro “defende” o chute com o rosto prejudicou demais o Flamengo. O juiz não só deu penalidade como também expulsou o jogador por ter entendido que o meia tirou a bola com a mão. Típico lance que o VAR resolveria em menos de 30 segundos, evitando a lambança do árbitro. Em uma era onde a tecnologia pode ser tão benéfica, me surpreende negativamente quem seja contra o auxílio dela no mundo esportivo.

Como sempre, o prejudicado reclama. Bandeira (presidente do Flamengo) reclamou (com razão) e vai fazer o protesto junto à CBF. Agora, caso tivesse sido favorecido, ficaria quietinho e não teria toda essa revolta. Infelizmente nosso futebol reflete uma sociedade egoísta, onde cada um pensa no que mais lhe favorece.

Quem manda no futebol se recusou a resolver o problema, mesmo sendo uma entidade rica, que deveria trabalhar para os clubes. E eles, cordeirinhos que são, esperneiam, gritam, mas apenas quando o problema acontece com eles. União? Agir de acordo com interesses comuns? Uma utopia longe demais de acontecer.

Não precisa ser nenhum vidente para saber que esse foi o primeiro de vários erros que vamos ter ao longo da competição. E que vamos ouvir essa ladainha sobre juízes até o fim do ano.

Bola de cristal pronta – Palpites para o Campeonato Brasileiro

Com a falta de uma pré temporada decente, calendário apertado e com uma Copa do Mundo na conta, este ano acho mais fácil acertar os palpites da megasena do que acertar as colocações finais do campeonato brasileiro. Boa parte das opiniões precisam ser feitas com base em “achômetros” usando o elenco (no papel), o que os clubes fizeram no primeiro trimestre e pensando em possíveis alterações nos times (tanto em vendas como contratações.). A parte “boa” é ver um início sem nenhum time que esteja sobrando dentre os demais, mas também não enxergar nenhum clube claramente muito abaixo , o que com certeza vai causar vários palpites errados.

Sem contar que em várias rodadas teremos clubes dividindo atenção para equilibrar o plantel entre as competições. Os melhores, que estão na Libertadores, provavelmente vão preferir focar nesta competição.

América-MG
– Uma campanha razoável apenas no campeonato mineiro faz com que o clube tenha como meta a permanência na série A;
Atlético-MG – O alvinegro mineiro chega de ressaca pela perda do estadual, com um time que ainda não engrenou. Ao contrário de outras temporadas, coloco o Galo como um que irá disputar vaga na Libertadores, mas não ao título;z
Atlético-PR – Um dos times que mais estou curioso para ver jogar. Fernando Diniz em seu primeiro trabalho em um time de expressão. Elenco que passou boa parte do primeiro trimestre só treinando. Me agradou a postura do jogo contra o SP. Pode beliscar vaga na Liberta;
Bahia – O time que deu trabalho no ano passado manteve boa parte da base e a expectativa é ver como será este inicio, principalmente se Zé Rafael irá se destacar como no ano passado. Começa o campeonato pensando em Sul Americana;
Botafogo – Difícil opinar sobre o campeão carioca. Um regulamento confuso da competição faz com que não possamos ter uma análise mais precisa do time. Valentim terá uma oportunidade de mostrar seu trabalho, depois de um começo promissor pelo Palmeiras na temporada passada. Para mim, foca em meio de tabela, tentando beliscar vaga na Libertadores;
Ceará – Chamusca começa a competição tentando evitar a gangorra de times de menor poder financeiro faça que o time cearense seja mais uma vítima. Uma boa base montada no estadual, mas que não acredito que permita enfrentar de igual para igual outros times. Luta contra o rebaixamento;
Chapecoense – Depois de tudo que passou recentemente, gostaria muito que o time conseguisse lugar entre os maiores do Brasil. Mas também começa um degrau abaixo, fugindo do rebaixamento;
Corinthians – O atual campeão deve sofrer com assédio aos jogadores no meio do ano. A situação financeira deve fazer com que o time tenha problemas ao longo do ano. Luta por vaga na Libertadores;
Cruzeiro – O time de Mano começa com boas perspectivas o campeonato, mesmo com a ausência de Fred (com lesão séria). É um dos que chega credenciado ao título;
Flamengo – Sem decisão sobre treinador, com boa situação financeira, mas com um time longe de estar entrosado. No papel, aparece como um dos favoritos a conquista do título;
Fluminense – Abel tem um dos seus maiores desafios. Um time novo e com sérios problemas financeiros, apostando novamente na base. Infelizmente acho que o time carioca precisa se preocupar com rebaixamento;
Grêmio – Renato Gaúcho fez um bom trabalho no ano passado, mas pode ter problemas para repetir o desempenho nesta temporada, principalmente por desfalques a partir do meio do ano (venda dos principais jogadores). Luta por Libertadores;
Internacional – O time gaúcho subiu da série B e parece estar ainda em reconstrução. Infelizmente o torcedor colorado não deve começar a competição com muitas esperanças. Inicialmente, luta só por Sul Americana;
Palmeiras – Apesar dos já citados problemas defensivos, é ao lado do Flamengo o time com condições financeiras de ter um elenco forte. Se acertar a defesa, tem tudo para fazer um ótimo campeonato. Começa novamente como favorito;
Paraná – Chegando da série B, o time que não fez um grande estadual sabe que precisará se preocupar em não ser rebaixado novamente;
Santos – Um time jovem, com treinador promissor, que parece não ter força para uma competição longa. Se ganhar entrosamento e achar o o “time ideal”, pode sonhar com vaga na Libertadores;
São Paulo – O Tricolor paulista ainda esta no início do trabalho de Aguirre e em busca de mudanças no elenco. Abaixo dos postulantes ao título. Com elenco para iniciar o campeonato pensando em Sul Americana;
Sport – O rubro negro escapou por pouco no ano passado de ser rebaixado. Com um elenco mediano, também começa lutando contra rebaixamento;
Vasco – Zé Ricardo sabe que possui um elenco limitado, e ainda divide atenções com a Libertadores deste ano. Também se preocupa com rebaixamento;
Vitória – O time baiano chega com desconfiança e também vai ter problemas no campeonato. Elenco limitado que chega para lutar contra o rebaixamento.

Palpites:

1º Cruzeiro
2º Palmeiras
3º Corinthians
4º Grêmio
5º Santos
6º Flamengo
7º Atlético-MG
8º Atlético-PR
9º Bahia
10º São Paulo
11º Botafogo
12º Internacional
13º Chapecoense
14º Ceará
15º Fluminense
16º Vasco
17º América-MG
18º Paraná
19º Vitória
20º Sport

Estaduais respiram por aparelhos

Pensei em fazer um post falando colocando minha seleção com os melhores do campeonato Paulista. Desisti ao lembrar de como a cada ano a competição perde seu atrativo. Jogos com qualidade apenas razoável, com destaque negativo para os jogos da fase decisiva. Das quartas em diante tivemos jogos pegados, tensos, mas com exceção dos jogos do Palmeiras contra Novorizontino e Santos, os demais foram tecnicamente fracos.

Sou saudosista e lembro do atrativo da competição de tempos atrás. Com times pequenos que complicavam a vida dos grandes. Com revelações que apareciam no campeonato e estouravam em times grandes e até no exterior. Hoje convido vocês a citar um nome de jogador que não seja dos quatro grandes. Bruno Moraes, con passagem nada marcante pelo Santos, foi considerado o craque do interior. Qual clube grande cogita a contratação dele? Anos atrás, um destaque do interior seria disputado à tapa.

Os estaduais possuem seu charme, mas precisam de mudanças. As fórmulas atuais da maioria são confusas e a baixa presença de público evidencia a falta de atrativos dessa competição. Ainda é possível salvar essas competições. O problema é que a cura esta nas mãos de dirigentes que só pensam no seu enriquecimento e estão nem aí para a melhora do futebol.

Com polêmicas, Corinthians conquista seu 29º título paulista

Depois da linda festa das torcidas nos treinos, o domingo reservou uma final que não fugiu a história dos dérbis entre Corinthians e Palmeiras.

Mais de 41 mil alviverdes lotaram o Allianz Parque na esperança de ver o Palmeiras confirmar o favoritismo e garantir o título e enquanto muitos ainda estavam procurando a melhor forma para assistir o jogo, tivemos uma grande jogada de Vital, com falha defensiva gritante por parte da defesa alviverde (ponto fraco já citado deste time). A bola encontrou Rodriguinho e a finalização desviou na zaga para abrir o placar.

1 x 0. 1 x 1 no placar agregado com um jogo inteiro pela frente. Todo o planejamento dos dois clubes mudando em segundos. E estranhamente um ar de preocupação por parte do mandante. O time de Roger poderia facilmente marcar um gol, empatar a decisão e garantir o título no tempo normal.

Infelizmente, tivemos outro jogo que deixou a desejar tecnicamente, com exceção de poucos jogadores. Pelo Corinthians, o destaque ficou para o garoto Mateus Vital, que mesmo contundido, assumiu a responsabilidade e levou a melhor em cima de Marcos Rocha no primeiro tempo, dando trabalho ao lateral direito. Sentiu a contusão e no segundo tempo teve pouco destaque.

No Palmeiras, os destaques ficaram com Dudu, que fez um ótimo duelo contra Sidcley pelo lado direito alviverde e gerou preocupação na defesa do Corinthians o jogo todo. Mas o nome que poderia ter mudado foi Keno. Entrou no intervalo no lugar de Willian e sobrou em cima da defesa alvinegra. Com dribles e jogadas em velocidade, foi o principal responsável por deixar o time de Carille acuado na defesa, com chutões a todo momento, sem conseguir criar perigo.

Mas com exceção de uma defesa de Cássio em finalização de Marcos Rocha, não tivemos nenhum dos goleiros trabalhando no tempo normal.

Apreensão da torcida, com receio de ver seu rival triunfar em casa. Até o lance envolvendo Dudu e Ralf. O volante alvinegro toca claramente na bola, o atacante cai e o juiz marca penalidade com convicção. A pressão dos jogadores do Corinthians gerou uma revisão (claramente externa) em cima do lance. A revolta foi grande, já que apesar de não ser pênalti, o lance só foi corrigido por conta de alguém que reviu o lance pela TV.

Antes disso já foi tivemos outros lances discutíveis. Um gol do Palmeiras anulado por impedimento (correto) e uma possível penalidade em cima de Borja (onde eu acho que houve a falta).

Houve ainda espaço para linda jogada de Sidcley nos minutos finais, que quase garantiu o segundo gol. Mas a decisão veio nas penalidades. Da mesma forma que a decisão das semifinais.

Quis o destino que nomes contestados como Romero e Lucca convertessem seus lances e que Dudu e Lucas Limas parassem em Cássio. Fagner ainda perdeu seu lance, mas Maycon marcou o seu e garantiu a vitória e o título, calando de vez o Allianz Parque.

29º título de um time que pode crescer na temporada com a conquista. Com Carille se firmando de vez como um dos melhores técnicos da nova geração.

Vice-campeonato que não deve ser motivo para críticas ao trabalho de Roger. Um time com uma estrutura tática bem definida e que com o reforço de um zagueiro para estabilizar a defesa pode garantir títulos nesta temporada para o Palmeiras.

Dérbi – Confirmação ou superação?

Um dos clássicos brasileiros de maior rivalidade vai ganhar mais uma página importante em sua história no próximo domingo. Um duelo onde os nervos ficaram à flor da pele no último sábado. Um duelo que continua (e vai continuar) fora de campo. Comentários sobre a briga e discussões em campo. Lamentos sobre erros arbitragem.

Ambos os times sentindo (mais uma vez) o impacto do calendário insano. Carille agradecendo uma semana livre de jogos para dar descanso a vários jogadores e torcendo para que o único desfalque seja Clayson (expulso). O técnico novamente se vê precisando dar resposta aos críticos em mais um jogo frente o Palmeiras. Já foi assim nos duelos do ano passado e principalmente pelo Brasileirão (na reta final da competição). Por mais que tenha em mãos um elenco com limitações ofensivas, ele sabe que não conquistar o Paulista irá fazer com que seu trabalho vitorioso do ano passado seja questionado pela mídia e por parte da torcida. Do outro lado, conquistar mais um título “fazendo milagres” poderá ser um salto maior na sua carreira, dando ao técnico uma confiança no em si e conquistando de vez seus jogadores. Arrisco dizer que o título mexe positivamente com o emocional do grupo. O Corinthians se credenciaria a conquistar pelo menos mais um título de peso nesta temporada.

O Palmeiras possui um elenco melhor no setor ofensivo, mas como já citei anteriormente, com problemas na defesa. Ter conquista do a vitória fora de casa garante ao time um favoritismo que não pode ser ignorado. A possibilidade de confirmar o título com um empate, em um duelo que promete ser pegado, é uma vantagem considerável, principalmente quando pensamos nas dificuldades recentes do rival para criar perigo no ataque. O título logo no primeiro campeonato no comando alviverde faria com que Roger ganhasse um prestígio com a torcida e que merecidamente ele seja reconhecido por parte da mídia que ainda vê com ressalvas seu trabalho como treinador (ao lado de Carille, vejo ele como um dos melhores da nova geração). Mas o outro lado dessa moeda é a pressão e questionamentos em caso da virada rival e perda do título em casa. O técnico conta com alguns jogadores que também estão desgastados e que por isso podem não render tudo que podem. O desfalque de Felipe Melo é dúbio. Por um lado, perde um jogador que se impõe em campo frente os rivais, ótimo para segurar possível pressão, mas por outro lado deixa de ter em campo uma “bomba- relógio” que poderia deixar o time na mão. Tecnicamente a ausência de Felipe não impacta tanto no esquema tático.

Duvido que o Palmeiras apareça com alguma surpresa, mas tenho dúvidas se o time irá jogar com o resultado embaixo do braço ou se tentará se arriscar e ir para cima do rival, em busca de um gol que pode sacramentar o título. O Corinthians é uma incógnita para a final por conta da situação física e também de uma possibilidade de mudança tática em busca de “algo novo” para surpreender o rival.

Não espero um jogo tecnicamente bem jogado. Espero sim, uma forte marcação e não acho que a partida termine com 22 em campo. O juiz será muito exigido e espero que não influencie no resultado.

Palmeiras vence e conquista importante vantagem na final do campeonato Paulista

Um jogo entre Corinthians e Palmeiras dificilmente será tranquilo. Valendo título então, a situação fica ainda pior. Taticamente nenhuma mudança no que os dois times estão apresentando no campeonato. Era nítida a diferença física entre os dois times. Um Palmeiras mais inteiro, contra um Corinthians desgastado pela semifinal contra o São Paulo e com jogadores fisicamente abaixo das melhores condições.

Tecnicamente, um jogo com poucas emoções. Os goleiros trabalharam pouco, os ataques quase não criaram nada. Os jogadores responsáveis pela criação em uma tarde muito abaixo do esperado (Lucas Lima, Dudu, Rodriguinho e Vital). Do lado alviverde é necessário citar que o time abdicou de atacar depois de ter conseguido a vantagem logo no início do jogo (em falha da defesa do Corinthians e finalização de Borja). Importante citar que o colombiano nesta temporada está

Já uma das apostas de Carille novamente não deu resultado. Sheik como titular não oferece perigo a defesa rival. Salvo um chute no primeiro tempo, o veterano voltou a atrapalhar a construção das jogadas ofensivas. Mas a conta não fica só com o atacante. A quantidade de passes errados influenciou o desempenho do Corinthians, que pouco fez para criar lances reais de perigo, algo que já tinha acontecido pelas semifinais contra o time do São Paulo.

E claro, precisamos citar que o clima tenso gerou a confusão no fim do primeiro tempo, que culminou nas expulsões de Clayson e Felipe Melo, com prejuízo maior para o Corinthians , que perdeu força ofensiva e terá desfalque importante para o jogo de volta.

O Palmeiras conquistou uma vantagem importante para o jogo de volta e com um empate conquista o título paulista. Roger sabe que se o time mantiver a qualidade ofensiva pode controlar o jogo e garantir o título até com certa tranquilidade. Mas o placar magro faz com que a decisão ainda esteja em aberto, principalmente ao lembrar como o time alviverde sofreu contra o Santos, com a conquista da vaga só nas penalidades.

Carille irá aproveitar a semana livre sem jogos para entrar com um time descansado, mas com a dúvida sobre como melhorar a qualidade ofensiva do seu time, em uma partida onde precisará da vitória, pelo menos pelo placar mínimo, para levar a decisão a decisão para as penalidades.

Promessa de outro jogo tenso no Allianz no próximo domingo, onde o juiz deverá ter grandes problemas para manter o controle do jogo.

No sofrimento e na emoção, deu Corinthians

Mais de 43 mil pessoas lotaram a Arena Corinthians, acreditando na virada frente o São Paulo. Os retornos de Fagner, Rodriguinho e Clayson qualificavam o time em comparação com a escalação do domingo passado. Mas em campo o que se via era um tricolor muito bem armado, com marcação forte e precisa, sem dar espaços para avanços alvinegros. Apenas o atacante conseguia oferecer algum perigo.

Sheik perdeu uma chance daquelas que custam uma classificação. Sozinho na área, isolou a bola depois de linda jogada de Fagner. Do outro lado, a correta cerado São Paulo (deixando o relógio correr) mostrava resultado e o time poderia ter garantido o resultado , se não fosse as intervenções de Cássio, em dividida com Trellez e defesa em chute cruzado de Militão.

Na segunda etapa , o Corinthians começou melhor, rodando a bola, mas sem furar o bloqueio de Aguirre, ao passo que o São Paulo tinha nas mãos a chance de matar o jogo em um contra ataque. Carille dessa vez não demorou a mexer no time. Colocou Pedrinho no lugar de Gabriel, abrindo o time corretamente e dando um gás ao time. Depois, precisou tirar Fagner (cansaço) e Sheik, para as entradas de Mantuan e Danilo.

O gol não vinha. Festival de cruzamentos e São Paulo abdicando do jogo. Diego Souza teve chance de matar o jogo, mas preferiu puxar o lance para a lateral, ao invés de finalizar.

Nos acréscimos, aos 47 minutos, uma falha coletiva em cobrança de escanteio achou Rodriguinho livre para marcar o improvável gol. Correria nos minutos finais, mas decisão nas penalidades. Diego Souza começou perdendo, mas Rodriguinho também não conseguiu converter sua cobrança. Coube então a Cássio o protagonismo e contar com a sorte ao defender o chute do jovem Liziero, que ainda bateu na trave.

Classificação sofrida, no estilo corinthiano, que agora se foca em recuperar seus jogadores para o dérbi no próximo sábado, pelo primeiro jogo da final. Já o São Paulo sofre com a eliminação, mas abre uma perspectiva boa para o resto da temporada. O time teve duas atuações sólidas nas semifinais e poderia ter tido melhor sorte.

Palmeiras sofre, mas garante sua vaga nas penalidades. Agora espera o rival na final

Mantendo o padrão nessa fase decisiva, o Palmeiras mais uma vez foi responsável por uma boa partida, dessa vez no Pacaembu, no jogo que garantiu a vaga para a final do campeonato paulista de 2018. Jair optou por uma escalação diferente, por conta da ausência de meias no elenco e abriu o placar logo as 13 minutos, com Sasha, em lance onde novamente a defesa alviverde voltou a bater cabeça. Mas o ataque novamente fez sua parte e logo em seguida (aos 16 minutos) Bruno Henrique empatou a partida.

Com o gol, o time de Roger melhorou e começou a criar chances até de virar o placar, mas aos 39 sofreu o segundo gol, com o jovem Rodrygo. O placar de 2 x 1 deixou o jogo aberto e os dois times pareciam interessados em resolver a partida no tempo normal, mas tiveram problemas no setor de criação e a segunda etapa, apesar de corrida, foi de raras chances de gol. Vanderlei e Jailson praticamente não trabalharam no segundo tempo e as substituições não surtiram efeito desejado.

Decisão nas penalidades, causando preocupação para uma torcida palmeirense que compareceu em bom número (mais de 34 mil pagantes). Uma vaga que parecia tranquila ganhou emoção inesperada. Boas cobranças de ambos os lados, até que Jailson apareceu bem e defendeu a cobrança do jovem Diogo Vitor e
garantiu o primeiro finalista da competição paulista. A vitória no tempo normal diminui o peso da eliminação santista e alivia o impacto para Jair Ventura. Mas fica evidente que para o restante da temporada, o Santos precisará de reforços (pelo menos mais um meia titular e um atacante que possa chegar para disputar posição).

Já para o classificado Palmeiras, fica ainda mais evidente que do meio para frente o time merece ser respeitado. Mesmo com desfalques, ofereceu perigo nos dois jogos da semifinal e conquistou a vaga de forma merecida. O ponto de atenção continua sendo no setor defensivo, que quase colocou tudo a perder ontem. Como citei em outros posts, a defesa falhou nos jogos onde foi mais exigida. Roger provavelmente deve ter pedido por um zagueiro que chegue para ser titular para o restante da temporada, para não arriscar outro ano sem que o alviverde ganhe títulos.

Agora, o torcedor palmeirense aguarda de camarote a decisão na Arena Corinthians, para saber seu rival na final deste ano (com o primeiro jogo já marcado para o próximo sábado).

Copyright © All Rights Reserved · Green Hope Theme by Sivan & schiy · Proudly powered by WordPress

%d blogueiros gostam disto: